ACeS Cávado II - Gerês/Cabreira

ACES Cávado II Gerês/Cabreira – Unidade de Saúde Pública

Rua Dr. Domingos Oliveira Lopes
4730-702 Vila Verde
Tel. 253 310 850
Fax 253 310 857
secretariadosp@csvilaverde.min-saude.pt

Condições Básicas de Higiene e Segurança - Barbearias/ Cabeleireiros/ Gabinetes de Estética/Podologistas/ Lojas de Tatuagens e Piercings

01-03-2012 12:48

 

Condições Básicas de Higiene e Segurança

Barbearias/ Cabeleireiros/ Gabinetes de Estética/Podologistas/ Lojas de Tatuagens e Piercings

Cuidar da aparência física é quase uma obrigação na nossa sociedade. Consequentemente, cresce o número de barbearias, cabeleireiros, gabinetes de estética e outros estabelecimentos com oferta dos mesmos serviços, nos mais diversos locais, para atender à necessidade de procura, por parte de todas as classes sociais e económicas.

A beleza pode ter um preço demasiado alto para a saúde pública, se não forem observadas as condições básicas de higiene e segurança. Os profissionais destes estabelecimentos estão em contato com clientes que podem ser portadores de doenças contagiosas, como a sida, a hepatite B e hepatite C, pediculose, micoses ou outras doenças susceptíveis de afetar a sua saúde e a dos seus clientes. Preventivamente, é de ter em atenção alguns aspetos:

Higiene Pessoal/ Instalações

  • Sempre que as operações a executar o permitam, é indispensável a utilização de luvas adequadas para evitar a exposição cutânea, o que, não dispensa uma boa higiene das mãos, sem anéis e pulseiras. Retirar as luvas só após terminar o procedimento. Também é pertinente o usar bata de proteção.
    • O estabelecimento deve ser devidamente iluminado e ventilado. O piso, as paredes e os balcões com superfícies lisas, compostas por material resistente à lavagem e á desinfeção.
    • As instalações físicas devem estar devidamente conservadas, arrumadas e higienizadas.

Instrumentos/ Material/ Produtos

  • Preferencialmente utilizar material descartável e quando tal não for possível, ter disponíveis dois jogos de instrumentos, de modo a que, enquanto um esteja em desinfeção, o outro possa ser utilizado.
  • O procedimento de esterilização deve ser adotado para todos os utensílios utilizados, não descartáveis (ex: pinça, lima e alicate de unhas), em que exista risco de contaminação por sangue ou outras secreções orgânicas. Para a esterilização dos utensílios pode-se utilizar as estufas ou os autoclaves.
  • O material esterilizado deve ser acondicionado em invólucros adequados à técnica utilizada, sendo estes invólucros apenas abertos no momento de uso no cliente, para garantir a esterilização.
  • Os utensílios ou materiais que não representem risco em potencial para a saúde deverão ser sujeitos a processos de limpeza.
    • Todo o material utilizado deve ser substituído a cada cliente. Na realização da manicure e pedicure é pertinente sugerir a utilização de um kit individual
    • Relativamente aos produtos químicos, é de priorizar a utilização dos menos perigosos e respeitar as orientações do fabricante, relativas à sua utilização, manutenção e armazenamento.

Resíduos produzidos

  • Os diversos resíduos produzidos devem obedecer a uma triagem, acondicionamento, transporte e eliminação adequados.
  • As lâminas e agulhas utilizadas, são de uso único, não reutilizáveis, e são colocadas em contentor apropriado, de paredes rígidas e devidamente identificado como Risco Biológico. O Decreto-lei n.º73/2011, de 17 de Junho, classifica estes resíduos como Resíduos Hospitalares e como tal, o seu transporte e eliminação implica um contrato com uma entidade licenciada para o efeito.
  • O material passível de reciclagem (papel/ cartão, vidro, plástico/ metal, pilhas e baterias) deve ser separado e colocado no respetivo ecoponto em via pública.
  • Os Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos (REEE) poderão ser entregues de forma gratuita, na aquisição de outro equipamento novo com as mesmas funções. Para outros REEE, poderá recorrer aos locais de recolha disponíveis nas grandes superfícies comercias.

Por último, convém relembrar que os procedimentos realizados nestes estabelecimentos, devem ser efetuados por profissionais devidamente habilitados.

A aplicação das práticas recomendadas, desde o pequeno salão de cabeleireiro aos gabinetes de múltiplas atividades, deve ser efetuada, não por mero cumprimento da lei, mas para garantir aos clientes que a sua saúde não será afetada ao utilizarem os serviços destes estabelecimentos. Constituem também, um verdadeiro exercício da cidadania, pois o profissional ao preservar sua saúde e a do cliente, está a contribuir para o bem-estar da população.

 

Fonte:

http://www.webartigos.com/articles

www.arsnorte.min-saude.pt

Ministério da Saúde. DGS. Plano de Gestão de Resíduos Hospitalares em Centros de Saúde. Lisboa. 2007

Decreto-lei n.º73/2011, de 2011-06-17.

 

 

Alice Magalhães, Enfª

Unidade de Saúde Pública

ACeS Cávado II – Gerês / Cabreira